Governo anuncia progressão de carreira para profissionais do magistério

No Dia do Professor, 15 de outubro, marcando a celebração da data, a governadora professora Fátima Bezerra anunciou a concessão de duas letras da progressão salarial e mudança de nível para os professores do quadro efetivo da Secretaria de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer (Seec). O anúncio foi feito na manhã desta sexta-feira (15) em ato no Instituto Padre Miguelinho, localizado no bairro do Alecrim, em Natal.

Em 15 anos da implantação do Estatuto e do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do Magistério Público Estadual, criado em 2006, apenas 5 letras tinham sido concedidas. Serão beneficiados 12.688 professores ativos da rede estadual. A progressão e a mudança de nível serão implantadas na folha de novembro próximo.

“Passamos muito tempo sem progressões. Estamos corrigindo injustiças e anunciando o pagamento de duas letras e a mudança de nível. Reafirmo o compromisso em respeitar o piso salarial nacional do magistério para ativos e aposentados. Só com respeito aos profissionais da educação se constrói uma escola digna. E mais, nunca deixamos de pagar o piso salarial nacional aos professores”, declarou Fátima Bezerra.

A governadora, acompanhada do vice-governador Antenor Roberto, registrou a atuação dos professores neste período de pandemia. “É injusto dizer que os professores não trabalharam na pandemia. Trabalharam muito, e muitas vezes tirando dinheiro do bolso para contornar dificuldades do nosso ensino e dos estudantes mais carentes”, afirmou para acrescentar: “Presto homenagem a todos que não estão mais conosco. E conclamamos a todos a manter a dedicação neste retorno às aulas presenciais”.

Fátima Bezerra, que foi aluna do Padre Miguelinho no período de 1971 a 1977, quando saiu da cidade de Nova Palmeira na Paraíba para morar em Natal com familiares, recebeu dos diretores a ficha com as disciplinas cursada e notas das avaliações. No primeiro ano em Natal, 1970, Fátima estudou na escola estadual Padre Monte. No ano seguinte conseguiu matrícula no Padre Miguelinho por ser mais próximo da casa onde morava e permitiria a economia do custo com transporte, porque ela poderia se deslocar a pé. “Tenho ótimas lembranças e sou muita grata a esta escola e aos professores. Lembro de Terezinha Leitão, Guadalupe, Wiclif. Tenho enorme gratidão a todos os professores que me ensinaram. Conclui o ensino médio no Padre Miguelinho e sai daqui para a Universidade cursar pedagogia”, registrou.

Para a tomada de decisão sobre o pagamento das progressões, foi realizado um trabalho técnico feito pelas secretarias de Educação, Administração, Planejamento, Gabinete Civil além de consultas aos órgãos de controle. “Passa um filme em nossa cabeça sobre tantas lutas, tantas campanhas para garantir o que é nosso de direito. Os educadores sabem da luta diária e da importância desta valorização que estamos recebendo”, registrou o professor, secretário de Estado de Gestão de Projetos, Metas e Relações Institucionais (Segri) Fernando Mineiro.